domingo, 10 de fevereiro de 2013

Goodbye Paris

Um dia será tarde demais, e nós estaremos muito mais distantes do que alguns quilômetros.
Nem postais, nem cartas chegariam até nós.
Nós nunca mais respiraríamos o mesmo ar.
A distância só aumenta e eu penso que errei.
E o som que vibrou na minha cabeça desde o começo, agora é verdade...
A dura verdade que eu não queria enxerga.
A triste verdade que chegou arrebatadora.
"It's not going to work, it's not going to work, it's not going to work..." *



Tua foto estava colada no teto, em cima da minha cama, para que eu pudesse te dar boa noite e bom dia.
Agora, a marca da tinta que foi arrancada junto a tua imagem, angustia e dói.
E todo mundo sabe que tu passou por aqui.
E eu sei que tu passou por aqui.


Pensei em te escrever.
Pensei em te escrever mais uma última vez.
Tiveram tantas últimas vezes.
As últimas vezes se tornavam sempre as primeiras.
E tudo era lindo.
O céu limpava após a tempestade.
"I'll give you a shelter for the storm"

Pensei em dividir mais uma vez.
Pensar já não era o que eu melhor sabia fazer.
Amor não era mais o que eu deveria sentir.
Saudade machucava e deveria ser deixada para trás.
Lembranças me atormentavam as madrugadas frias do campo.
A partida estava próxima.
E se tu pelo menos soubesse....
Se em ti chegassem minhas palavras, pelo menos.
Eu saberia, que apesar de tudo, tu ainda se importava.
Tu saberia que todas as minhas palavras não eram pro mundo e nem pro vento.
Tu saberia que elas eram pra ti.
Quem sabe um dia o vento as leve até ti.
Mas sempre é tarde demais.


Imagens extraídas da trilogia Griffin & Sabine (profundamente grato a meu tio que me presenteou)

Um comentário:

Jonas Gonçalves disse...

Talvez sempre seja tarde demais, mas ao menos poder lembrar ainda é algo bom.